Nunca mais me referirei à Toscana no singular.

Fonte: www.vinostore.it

Fonte: www.vinostore.it

De acordo com o Wikipedia (aqui) “A Toscana é uma região da Itália central com cerca de 3,7 milhões de habitantes e 22 997 km², cuja capital é Florença. Tem limites a noroeste com a Ligúria, ao norte com a Emília-Romagna, a leste com Marcas e Úmbria e ao sul com o Lácio. A oeste seus 397 km de litoral são banhados pelo Mar Lígure e o Mar Tirreno. Administra ainda as ilhas do Arquipélago Toscano, a principal das quais é a Ilha de Elba. A Toscana é uma das maiores regiões italianas em território e número de habitantes.”

Pisar na Toscana é uma experiência embriagante. O prazer dessa viagem está na riqueza dos destinos, mas também nos caminhos que levam à eles. Dentre os destinos, é possível transitar por cidades históricas muito antigas, como Florença, Siena, San Gimigniano, Pisa, Lucca, Montalcino, Montepulciano, Cortona, Volterra, dentre outras. No deslocamento de uma cidade para outra, a natureza nos presenteia com paisagens estonteantes onde se encontram muitos, mas muuuitos vinhedos! Há videiras por todas as partes, plantadas em terrenos diversos, seja no topo de colinas, próximas ao mar, perto da floresta e assim vai.

É irresistível o desejo de fazer tudo, passear pelas cidades e pelas zonas rurais, mas à exceção de Florença, os meus destinos foram todos nas zonas rurais. Mergulhei de cabeça nos vinhos, mais especificamente nos vinhos de pequena produção. Artesanais. E então um novo mundo se abriu à minha frente.

Fonte: www.vinostore.it

Fonte: www.vinostore.it

A primeira grande surpresa foi descobrir a diversidade dos vinhos e uvas dessa região que se desmembra em outras diversas sub regiões. Confesso com humildade que para mim a Toscana era basicamente sinônimo de Brunello di Montalcino e Chianti Clássico, vinhos elaborados a partir da casta (uva) Sangiovese e o Vin Santo, o vinho de sobremesa resultante da fermentação das castas Trebbiano e Malvasia . Santa ignorância!

Um oceano de vinhos se abriu à minha frente. A começar pela quantidade de áreas demarcadas de produção. Veja aqui a relação de Denominações de Origem Controlada e Garantida que existe na Toscana:

  • Brunello di Montalcino – província de Siena
  • Carmignano – província do Prato
  • Carmignano – província di Firenze
  • Carmignano Vin Santo – província di Firenze
  • Carmignano Vin Santo Occhio di Pernice – província do Prato
  • Chianti – províncias de Arezzo, Firenze, Pisa, Pistoia, Prato e Siena
  • Chianti Classico – províncias de Firenze e Siena
  • Chianti Colli Aretini – província de Arezzo
  • Chianti Colli Senesi – província de Siena
  • Chianti Colli Fiorentini – provincia de Firenze
  • Chianti Colline Pisane – província di Pisa
  • Chianti Montalbano – províncias de Firenze, Pistoia e Prato
  • Chianti Montespertoli – província de Firenze
  • Chianti Rùfina – província de Firenze
  • Chianti Superiore – produto de toda zona do Chianti exceto na sub-região do Chianti Classico.
  • Montecucco Sangiovese – província de Grosseto
  • Morellino di Scansano – província de Grosseto
  • Vernaccia di San Gimignano – província de Siena
  • Vino Nobile di Montepulciano – província de Siena

Essas são apenas as DOCGs! Se quiser conhecer as DOCs, clique aqui. Muita informação, não? Fazer um zoom em cada uma dessas DOCGs e DOCs é ingressar em diferentes universos de terroir, castas, histórias e vinhos diferentes. Daqui para frente, nunca mais me referirei à Toscana no singular. Ao ouvir o nome dessa região pensarei: sobre qual Toscana estamos falando?


Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.