Cheire pedra.

Foto: Karen Ferrari

Entender sobre vinhos parece ser uma coisa três chique, mas os verdadeiros entendedores são os que conseguem memorizar e decodificar os aromas da natureza e daquilo que é feito com os seus derivados.

Quem se embrenha no mato, escala pedras, mergulha em cachoeira, come fruta do pé, pega na lama, anda por fazendas ou pela praia ou ficou na barra da saia da avó enquanto ela cozinhava,  tem grandes chances de se tornar um exímio apreciador.

Fui ontem à uma bela degustação de vinhos orgânicos selecionados pelo Sávio Soares, um apaixonado pela mineralidade dos vinhos. Sim, aroma mineral! É uma característica que realmente adoro e que pode ser encontrada em alguns vinhos, como esses que foram abertos:

Foto: Karen Ferrari

Foto: Karen Ferrari

Foto: Déia Boari

Muita gente não consegue desvendar esse tipo de aroma, então acho que entendi porque para mim não é difícil. Sempre tive alguns hábitos um tanto excêntricos, como a mania de cheirar coisas. Lembro que nos dias de sol adorava deitar na pedra dessa piscina, jogar um pouquinho de água sobre ela e cheirar. Achava o cheiro da pedra uma delícia.

Foto: Arquivo pessoal – Karen Ferrari

Quando o Sávio foi descrever um dos vinhos falou: “Esse aqui é um verdadeiro banho de cachoeira”. Bingo! Lembrei dos 20 incríveis dias que passei na Chapada Diamantina, fazendo trilhas e escalando imensos paredões, onde as cachoeiras são deliciosas justamente por serem limpinhas, sem lama, pedra pura! Não me esqueço do cheiro de lá!

Então a dica para as férias é essa: conheça vinhos minerais. Aproveite o verão para cheirar pedra de piscina e mergulhar em cachoeiras. Depois, abra uma garrafa feita com a uva Riesling que tem uma mineralidade muito ressaltada como característica. Esses vinhos  têm lindas expressões na Alemanha ou Alsácia (França) e exemplares produzidos na Austrália e Nova Zelândia.


Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.